Seguidores

domingo, 31 de maio de 2009

Poeta Jorge de Lima


SONETOS GÊMEOS
Se me vires inúmero, através
deste poema,
entre as coisas e as criaturas,
como se eu próprio fosse o que ontrem é,
dissipado nas páginas impuras,
arrebatado pelo próprio poema,
possesso, surpreendido, fragmentado,
travestido de herói ou de réu,
em quase todos os versos degredado,
negarás, meu irmão, a alma que vive
perdida na ansiedade de si mesma
sonhando a paz, querendo a paz;
a paz até na álgida paz da insânia
Deus me busca para ser o seu convulsivo
a amado filho em torno de quem crês
morar a paz que
Ele destina viva a todo aquele que lhe faz perguntas.
Eis as respostas nessas vozes gêmeas,
deblaterando sobre o seu defunto,
sobre seu louco, sobre o seu recente
corpo hoje inda nascido e já julga
doe já descido, e já movido nesses
campos da morte, sob os passos,
pássaros,aos ventos indo,
sob as noites gastas
passos sobre as caliças, sob os gestos,
sob as bocas sem choro, em seus nadas.





Nenhum comentário:

Postar um comentário